Artigos

A educação profissional pode ajudar você a conquistar o primeiro emprego. Veja como?!

AeducacaoprofissionalpodeajudarvoceaconquistaroprimeiroempregoVejacomo-20150725105004.jpg
 
 
23/07/2015 - Ensino técnico torna mais fácil a entrada no mercado de trabalho. Segundo pesquisa da OIT, no Brasil, juventude tem poucas informações para definir que carreira seguir

A juventude é a fase da vida em que encontrar trabalho é mais difícil. A população entre 15 e 24 anos registra maiores índices de desocupação. De acordo com a Pesquisa Mensal de Empregos do IBGE, em maio de 2015, a taxa desocupação nessa faixa etária foi de 4,2%, enquanto a da população geral ficou em 2,8%. A situação se repete em outros países e preocupa entidades como a Unesco e a Organização Internacional do Trabalho (OIT). 

A pesquisa Transições da escola para o mercado de trabalho de mulheres e homens jovens no Brasil, da OIT, avalia que os jovens brasileiros são trabalhadores e, em parte significativa deles, tem se esforçado para combinar trabalho e estudo. Essa avaliação se baseia em dados como o da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio (PNAD) 2013, que mostram que 65% dos brasileiros com idade entre 15 e 29 anos são economicamente ativos. 

A pesquisa da OIT – que fez 3.288 entrevistas com jovens de 160 municípios brasileiros – sugere, entre seus resultados, que a juventude não tem sido preparada adequadamente para o mundo do trabalho. O fato de 41% dos jovens estarem trabalhando em ocupações para as quais eram excessivamente ou insuficientemente qualificados reforça a importância de melhorar a qualidade das políticas de educação e trabalho. “Para diminuir esse desajuste, seria necessário oferecer orientações e informações no ensino médio sobre a evolução das demandas ocupacionais do mercado de trabalho”, recomenda o estudo. 

Compreendida pela própria OIT como uma das saídas para melhorar esse cenário, a educação profissional forma estudantes com foco em uma profissão. Cada curso é desenhado a partir da complexidade de cada ocupação no mercado de trabalho, por conta disso sua duração varia de poucos meses a dois anos. 

Com base nisso, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) reuniu algumas situações comuns pelas quais passam os jovens brasileiros e mostra como a educação profissional pode ajudá-los a encontrar trabalho. 

- Estou no ensino médio e preciso trabalhar logo que terminar os estudos.
Se você quer sair do ensino médio com mais chances de encontrar um emprego, uma aposta interessante é o curso técnico. A partir do segundo ano, é possível se matricular num curso, cujas aulas ocorrem no contraturno da escola por um ano e meio ou dois anos. Para receber o diploma é necessário ter aprovação também na educação básica. De acordo com o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos, do Ministério da Educação, no Brasil são oferecidas opções de cursos em 13 áreas tecnológicas. 

Para quem se interessa em trabalhar em segmentos ligados à indústria, o SENAI oferece 108 opções, que vão desde a mecânica até a petroquímica. O acompanhamento do desempenho dos profissionais formados mostra o impacto da qualificação na empregabilidade. Mais de 70% dos trabalhadores conseguem emprego no ano seguinte ao término do curso. 

- Terminei o ensino médio e não consigo encontrar um emprego.
O fato de ter concluído o ensino médio é um passo importante, não garante o emprego. De acordo com a OIT, em 2013, 22,4% da população entre 15 e 29 anos com esse nível de escolaridade estava desempregada. A educação técnica pode ajudar você a encontrar um caminho profissional. 

Se você tem pressa para encontrar um emprego, a melhor opção é um curso de formação inicial. Existem opções com carga horária a partir de 160 horas (cerca de dois meses) que preparam os profissionais para uma ocupação específica no mercado. Com eles, você aprende ofícios como eletricistas, soldadores, mecânicos de manutenção, pedreiros, mecânicos de automóveis. Depois disso, pode seguir seus estudos e formar-se um técnico industrial, qualificado para buscar melhores oportunidades. 

- Já tenho 14 anos e quero começar a trabalhar logo.
Com essa idade, no Brasil, você ainda não pode trabalhar. Existe, porém, a oportunidade de tornar-se um aprendiz. As empresas de médio e grande porte são obrigadas por lei a contratarem jovens com idade entre 14 e 24 anos como aprendizes, preenchendo uma cota que corresponde de 5% a 15% do número de trabalhadores que demandam formação profissional.

Para participar do programa, você deve frequentar o ensino fundamental ou médio ou já ter concluído a educação básica. Em paralelo, você será qualificado por uma instituição de ensino e uma empresa. Como aprendiz, você terá seu primeiro registro na carteira de trabalho, todos direitos trabalhistas assegurados, inclusive a remuneração. 


Antes de escolher a profissão, é preciso conhecer as caracterís ticas do mercado de trabalho
- Quero fazer um curso, mas tenho dúvidas sobre qual escolher. O que preciso para saber para não errar na minha decisão?

O primeiro passo é se informar sobre o mercado de trabalho da sua região. Que segmentos da economia mais contratam? Quais setores estão em expansão e quais estão reduzindo? Essas informações são importantes para decidir que ocupações irão proporcionar a você melhor empregabilidade. 

Depois disso, é preciso ter claro algumas características do mercado de trabalho. Em geral, há um menor número de profissões que oferecem altos salários. Por outro lado, há aquelas com características transversais, cujos profissionais transitam por diferentes ramos da economia e, por isso, conseguem emprego com mais facilidade. Estude um pouco sobre as habilidades exigidas em nessas ocupações e veja com as que você se identifica. Depois desse cenário, fica mais fácil escolher o seu curso no SENAI. 

- Moro em uma cidade pequena, com poucas alternativas de emprego. Como a educação profissional pode me ajudar?

É preciso olhar sua região como um todo. Hoje, o Norte, o Nordeste e Centro-Oeste apresentaram evolução na estrutura produtiva. É preciso identificar em que locais as empresas estão e preparar-se para tentar uma carreira, quem sabe até mesmo em outra cidade. Empreender pode ser uma possibilidade, mas é preciso saber se há mercado para o seu negócio. Enquanto isso, você pode aproveitar as oportunidades da educação profissional a distância. No SENAI, por exemplo, existem opções de cursos a distância em mais de 20 áreas tecnológicas. 

- Até tem emprego na cidade onde eu moro, mas não consigo uma vaga porque me pedem experiência. 
Quando você passa por um curso de educação profissional, vivencia entre 50% e 70% do total da formação em laboratórios e oficinas. Nesses locais, os estudantes desenvolvem suas habilidades técnicas, vivenciando, em um ambiente controlado, a mesma realidade do mundo do trabalho. Além disso, os cursos de aprendizagem industrial e técnico de nível médio preveem uma parte de sua carga horária dentro das empresas, como aprendiz e estagiário, respectivamente. Dessa forma, o ensino técnico proporciona a você, ao mesmo tempo, formação teórica, prática e, em alguns casos, experiência, que são levadas em conta pelos empregadores na hora de escolher seus funcionários. 

A WORLDSKILLS - Cinquenta e seis jovens profissionais, com menos de 22 anos de idade, representarão o Brasil na 43ª WorldSkills, a maior competição de profissões técnicas do mundo. O evento reunirá 1.200 competidores de 62 países, de 11 a 16 de agosto, no Anhembi Parque, em São Paulo. Eles disputarão o título de melhor profissional do mundo em 50 ocupações da indústria e do setor de serviços, como mecatrônica, robótica manufatura integrada, manutenção de aeronaves, marcenaria, design gráfico, polimecânica, joalheria, panificação e outras. Nas provas, os competidores precisam executar tarefas do dia a dia das profissões que escolheram. Vencem aqueles que executam o trabalho dentro dos prazos e dos padrões internacionais de qualidade. Saiba tudo sobre a WorldSkills São Paulo 2015. Acesse o site da disputa. 

Por Ismália Afonso
José Paulo Lacerda

Da Agência CNI de Notícias
Fonte: portaldaindustria.com.br