Artigos

Drones autônomos inspirados na natureza 

Drones-autonomos-inspirados-na-natureza-20160707110019.jpg
 

06/07/2016 - No futuro, os veículos aéreos não tripulados (Vants), também chamados de drones, serão capazes de coordenar visualmente seu voo e navegação exatamente como pássaros e insetos fazem, sem necessitar de intervenção humana, radar ou mesmo navegação por GPS.

Para tornar o cenário realidade, um grupo de pesquisa da Universidade de Queensland, na Austrália, busca identificar técnicas de voo compartilhadas por periquitos e abelhas e aplicar os achados em programas de controle de Vants. 

Líder do estudo, Mandyam Srinivasan explica: Nós estudamos como pequenas aves e abelhas usam sua visão para evitar a colisão com obstáculos, voar seguramente por passagens estreitas e controlar sua distância em relação ao chão, além de outras ações. Depois, nós usamos princípios biologicamente inspirados para projetar novos sistemas de visão e algoritmos para a orientação dos Vants.

À primeira vista, insetos e pássaros têm cérebros muito diferentes em termos de tamanho e arquitetura. Mas o processamento visual nos dois tipos de animais é muito eficaz para orientar seus voos. O cérebro de abelhas pesa um décimo de miligrama e contém muito menos neurônios que o nosso, porém os insetos são capazes de navegar com precisão até fontes de alimentos a mais de 10km de distância da colmeia, diz Srinivasan, em um comunicado à imprensa. Pássaros podem realizar acrobacias e façanhas de navegação incríveis. Esses animais estão usando estratégias simples e elegantes, afinadas por milhares de anos de evolução.

Acuidade visual

O time escolheu comparar o voo de abelhas e periquitos especificamente porque esses animais são relativamente fáceis de estudar, esclarece o cientista. Eles são espertos, podem ser facilmente treinados e possuem sistemas visuais sofisticados que não são tão diferentes dos nossos, diz.

A comparação do comportamento de voo desses animais usando câmeras de alta velocidade levará a sistemas de orientação de drones melhores, garante Srinivasan. Os princípios inspirados na natureza que desenvolvemos vai possibilitar nova geração de Vants totalmente autônomos, que não dependerão de ajuda externa, como GPS ou radar. Esses drones poderiam ser úteis em aplicações como vigilância, operações de resgate e defesa.

Sobre outros benefícios que podem surgir da pesquisa, o autor diz: A observação do comportamento desses animais pode revelar princípios básicos da orientação visual em diversos organismos, incluindo humanos.

Fonte: Correio Braziliense/ DF

Portal www.cmconsultoria.com.br