Artigos

Educação a Distância em expansão 

Educacao-a-Distancia-em-expans-20170609120605.jpg
 

05/06/2017 - Com um leque ampliado de ofertas, o número de matrículas na modalidade cresce gradativamente

Aliada ao aumento do número de pessoas com acesso à Internet, a busca cada vez maior por formação acadêmica que una qualidade e flexibilidade fizeram com que a Educação a Distância (EAD) se tornasse modalidade de ensino e aprendizagem em expansão no Brasil. Seja em cursos semipresenciais ou realizados integralmente de forma remota, a EAD atingiu a marca de mais de 5 milhões de alunos no País em 2015, ano de divulgação do mais recente Censo EAD.BR, elaborado pela Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed).

Com um leque ampliado de ofertas, que incluem todos os níveis acadêmicos, desde o Ensino Fundamental à Pós-graduação, o número de matrículas na modalidade cresce gradativamente. Segundo o levantamento da Abed de 2015, 31,09% das instituições com cursos ou disciplinas EAD tiveram aumento no número de estudantes inscritos em relação ao ano anterior.

Segundo Rita Maria Lino, diretora administrativa da Abed, existem, hoje, dois perfis predominantes de alunos na Educação a Distância. O primeiro é formado por pessoas que vivem em grandes polos de ensino e que procuram a EAD como forma de adquirir mais qualificação para se destacar no mercado de trabalho. Já o segundo inclui pessoas que estão fora desses centros e que veem a modalidade a distância como principal (e às vezes único) meio de ter acesso à formação acadêmica.

"Tudo isso está muito relacionado com as características do jovem de hoje. Percebemos que ele tem um perfil muito mais autodidata. Ele vai buscar o conhecimento que precisa nas redes e tem autonomia em relação à tecnologia", frisa a diretora.

Ambas as motivações, associadas a fatores como flexibilidade e custos acessíveis, impulsionaram a procura por cursos realizados remotamente. "Todos nós temos uma vida muito corrida, então o que tem feito a EAD crescer é o acesso. Principalmente por conta dos custos, que às vezes são mais baixos que os dos cursos presenciais, e pela possibilidade de a pessoa, mesmo em sua própria casa, estar presente em uma discussão, em um conteúdo", destaca Lana Paula Crivelaro, coordenadora do núcleo regional Abed Ceará e do Núcleo de Educação a Distância da Universidade de Fortaleza (Unifor).

A consolidação da modalidade educacional tem como divisores de águas a criação de um novo marco regulatório da EAD, em 2016, e a publicação, no último dia 25 de maio, do decreto regulamentador da Educação a Distância no Brasil (Decreto 9.507/2017). Ambos os documentos trazem normas e diretrizes para a aplicação da modalidade no País.

Segundo Rita Maria Lino, as legislações vieram para reconhecer a importância da EAD, permitindo a expansão da oferta. "É importante pensar nesses marcos porque temos muitas possibilidades em EAD. A tecnologia nos permite construir modelos pedagógicos diferentes, precisamos discutir esses modelos, permitir que eles existam", afirma. "A disponibilização de recursos para comunicação em tempo real ou offline potencializa melhor a interação entre os participantes e a troca de experiências e conhecimento, enriquecendo aprendizagem", completa a diretora da Abed.

Lana Paula Crivelaro ressalta, porém, que a ampliação da modalidade deve ser acompanhada de avanços na qualidade. "Muitas instituições pensam que oferecer EAD é fácil, simples e barato, e até é, mas a qualidade é um fator que gera evasão. As instituições com as menores taxas de evasão são aquelas que prezam pela qualidade da oferta, fazendo uma Educação a Distância motivadora, na qual o aluno não esquece de acessar o conteúdo e tem interesse pelo que faz", acrescenta a coordenadora da Abed Regional Ceará.

Unifor

No Estado, 12 instituições são cadastradas junto ao Ministério da Educação (MEC) para oferecer EAD, dentre elas a Universidade de Fortaleza (Unifor). Alunos de todos os 40 cursos de graduação da instituição (bacharelado, licenciatura e graduação tecnológica) podem fazer determinadas disciplinas totalmente online. Também é possível acessar pela Internet conteúdos complementares aos vistos em sala. Segundo o pró-reitor de Graduação da Universidade, Henrique Sá, cerca de 5 mil alunos realizam disciplinas a distância.

Conforme o professor, a oferta de EAD na instituição tem por objetivo disponibilizar aos estudantes mais flexibilidade e um ambiente enriquecido com recursos que diversifiquem e, ao mesmo tempo, aumentem a interação com conteúdos de aprendizado.

O pró-reitor afirma, ainda, que a tendência é investir cada vez mais na modalidade. Para o próximo ano, o projeto é que sejam criados cursos de graduação híbridos, com parte da carga horária cumprida presencialmente e parte a distância.

"A gente entende que o que existe hoje ainda vai mudar muito. Acreditamos que a educação para o futuro não tem questão de presencial e a distância. Tudo vai ser presencial e online simultaneamente. O que vai existir são recursos enriquecidos, dinâmicos, que garantam a melhor aprendizagem", diz.

Fonte: Portal Diário do Nordeste

Fonte secundária: CM Consultoria

Imagem: Google