Artigos

Homens ganham até 36% a mais que mulheres no Tocantins

Homensganhamate36amaisquemulheresnoTocantins-20150913115231.jpg
 
 
12/09/2015 - Embora elas sejam maioria entre os trabalhadores com ensino superior, têm remuneração menor até entre analfabetos; levantamento é do TEM
No Tocantins, a remuneração média de um homem com ensino superior é de R$ 6,2 mil, enquanto uma mulher com o mesmo nível de graduação recebe R$ 3,9 mil. A diferença de 36% para esse grau de instrução se reflete em todos os outros. Homens analfabetos, por exemplo, têm salário médio de R$ 1 mil, ao passo que as mulheres analfabetas ganham cerca de R$ 890,00. Na média geral (considerando todos os níveis de instrução) o salário do homens no Estado ficou em R$ 2,3 mil e o da mulher em R$ 2,1 mil.

Embora ganhem menos, elas são maioria entre os trabalhadores tocantinenses com ensino superior, ocupando quase 38 mil postos de trabalho, ante aproximadamente 21 mil ocupados por homens. Por outro lado, entre os analfabetos, eles “correm na frente”, 1.057 pessoas do sexo masculino, contra 62 do sexo feminino.

Os números do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) foram divulgados nesta semana, por meio da Relação Anual de Informações Sociais (Rais). O levantamento leva em consideração os dados de dezembro de 2014 e faz, ainda, um comparativo com o mesmo período de 2013.

A família do vendedor Maickus Carvalho, 23 anos, sentiu na pele essa segregação de gênero no mercado de trabalho. Enquanto ele não demorou nem uma semana para encontrar um trabalho em uma papelaria de Palmas, a esposa – que é engenheira ambiental – precisou distribuir currículos por quase seis meses. “Ela chegou a fazer entrevista para outras áreas, mas as pessoas diziam que ela era capacitada demais e poderia mudar de emprego”, lembra Carvalho.

Agora, ambos estão empregados. Contente com novo emprego, o vendedor diz que não pretende se aventurar no mercado de trabalho. “Procuro fazer o meu melhor para continuar aqui. A empresa oferece muitas oportunidades”, avalia Carvalho.

EMPREGO
A Rais traz, porém, estatísticas positivas no que diz respeito à geração de empregos. No comparativo entre dezembro de 2014 e o mesmo período do ano anterior, o Tocantins registrou crescimento de 7,14%, encerrando o ano com 275,9 mil vagas. Em números absolutos, o índice representa um acréscimo de 18,4 mil novos postos de trabalho.

A principal responsável pelo desempenho positivo do Estado na Rais foi a Administração Pública, que gerou 6,7 mil empregos, 6,26% a mais do que no ano anterior, resultando em um estoque de 114 mil empregos.


Já a variação relativa entre 2014 e 2013 coloca a Construção Civil no topo do ranking entre os geradores de postos de trabalho. O setor teve um aumento de 16% em relação a 2013, seguido pelos Serviçoseditor2, com alta de 10,79% no número de empregos entre os dois anos, com acúmulo de 57 mil vagas em 2014.

REMUNERAÇÃO
O rendimento médio do trabalhador tocantinense aumentou 9%, passando de R$ 2.083,88 em dezembro de 2013 a R$ 2.271,96 em dezembro do ano passado. O setor que registrou a melhor remuneração média em dezembro de 2014 foi de Instituições de crédito, seguros e capitalização (R$ 4,9 mil), seguido pelo Ensino (R$ 3,9 mil) e pelo setor de Serviços industriais de utilidade pública – transporte coletivo, energia, telefone -, que geraram rendimento médio de R$ 3,3 mil.

Levando em consideração a faixa etária, a maior parte dos tocantinenses que trabalham está entre os 30 e 39 anos (89 mil pessoas). O segundo lugar é ocupado por pessoas entre 40 e 49 anos, seguido por jovens entre 25 e 29 anos.

http://lealjunior.com.br/?p=61549#respond
Fonte: lealjunior.com.br