Artigos

Incertezas na economia aumentaram, mas Brasil pode reverter quadro, diz S&P

IncertezasnaeconomiaaumentarammasBrasilpodereverterquadrodizSeP-20150729213459.jpg
 
 
29/07/2015 - ALTAMIRO SILVA JUNIOR, CORRESPONDENTE 

Analista da agência de classificação de risco disse que o governo Dilma tem mostrado "comprometimento", mas destacou cenário político conturbado e piora das contas fiscais

NOVA YORK - A situação da economia brasileira piorou rápido nos últimos meses e os riscos aumentaram desde março, quando a agência de classificação de risco Standard & Poor"s (S&P) fez a revisão do rating soberano do País, afirmou a analista da instituição responsável por Brasil, Lisa Schineller, em uma teleconferência com jornalistas e analistas na tarde desta terça-feira, 28, para comentar a mudança de perspectiva do rating soberano brasileiro para "negativa".

"Perspectiva negativa não quer dizer rebaixamento da nota. Afirmamos o rating", disse Lisa em diversos momentos da teleconferência. Ela comentou que desde março houve aumento da incerteza na economia brasileira, em meio à piora da atividade econômica, das contas fiscais e do cenário político conturbado no Congresso. "É uma dinâmica mais fraca de crescimento do que assumimos antes, uma história fiscal mais fraca." Para a analista, esse quadro compromete a execução de políticas.

Lisa frisou que o governo de Dilma Rousseff tem mostrado "comprometimento" e a expectativa é de que o Brasil consiga reverter esse quadro de maior deterioração, talvez com algum atraso em relação ao que se esperava antes e com mais riscos. Não fosse essa perspectiva, a diretora da S&P disse que a nota brasileira teria sido rebaixada para abaixo da categoria grau de investimento. 

A S&P projeta que a economia brasileira ficará estagnada em 2016 e volta a ter crescimento apenas em 2017. Logo no começo de sua apresentação, Lisa disse que as investigações de corrupção na Lava Jato contribuem para elevar a incerteza na economia, afetando a melhora da confiança do setor privado. O Congresso mais hostil também tem dificultado a condução da política econômica, barrando alguns pontos importantes para o ajuste fiscal. "Vimos que o risco político piorou."

Ao mesmo tempo, Lisa frisou na teleconferência que vê comprometimento da equipe econômica em tocar o ajuste necessário para que o País volte a crescer e vê disposição do governo em dialogar com o Congresso. A S&P, disse ela, vai monitorar essas conversas e o andamento das medidas no segundo semestre. Ela mencionou ainda o esforço do Banco Central para conter a inflação e ressaltou que a expectativa do mercado para 2016 já mostram maior convergência para perto da meta do governo.
Fonte: O ESTADO DE S. PAULO