Artigos

Instituição de ensino registra alto índice de empregabilidade com ex-alunos

Instituicaodeensinoregistraaltoindicedeempregabilidadecomex-alunos-20150911114742.jpg

 
 
10/09/2015 - Professor Gilberto Domingues Júnior é coordenador de pesquisa que apura situação dos formados no Unifeb

O professor Gilberto Domingues Júnior desenvolveu pesquisa que aponta índice de 80% de empregabilidade com ex-alunos do Unifeb. Em levantamento realizado entre abril e junho deste ano, com alunos que concluíram a graduação em tempo normativo nos anos de 2012, 2013 e 2014, foi mostrado que os formados em direito e administração registraram os melhores números. De acordo com a pesquisa, todos os ex-alunos estão empregados, sendo que 93% atuam em suas áreas de formação.

A amostragem dos estudantes formados pelo Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos selecionou 269 egressos de um total de 1.266 concluintes, porém 93 responderam a pesquisa de forma completa, que abordou aspectos relacionados à empregabilidade, como segmento da empresa de atuação, localização da empresa, função, remuneração, entre outras informações. Entre o total de alunos dos 26 cursos de graduação abordados pela amostragem, a pesquisa aponta que 80% estão trabalhando, com 75% em suas áreas de atuação. Além de direito e administração, que dividem a liderança, o curso de engenharia de alimentos registra 90% de empregabilidade, seguida pela engenharia de produção com 82% e engenharia química com 80% de seus ex-alunos empregados.

O professor coordenador da pesquisa, Gilberto Domingues Júnior revelou que os dados deste levantamento estará futuramente à disposição da sociedade. 

“Nos próximos anos devemos ampliar a pesquisa, apurando mais detalhes sobre a procura e tendência de cursos, áreas mais bem pagas e região que mais emprega. Estas informações deverão servir de base para a tomada de decisões dos estudantes, especialmente de vestibulandos”, disse.

O docente acrescentou que em virtude da crise que atinge diversos segmentos da sociedade, os alunos formados recentemente encontram mais dificuldade para entrar no mercado de trabalho.
Fonte: odiarioonline.com.br