Artigos

Novo Ensino Médio dobra o valor das mensalidades nas escolas particulares 

Novo-Ensino-Medio-dobra-o-valor-das-mensalidades-nas-escolas-particulares-20160927113406.jpg
 

26/09/2016 - De acordo com presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado do Piauí, o reajuste deverá ser provocado pelo aumento da carga horária.

Com a Reforma do Ensino Médio, apresentada pelo Governo Federal na última quinta-feira (22), por meio de medida provisória, o valor das mensalidades das escolas particulares pode aumentar em até 100%. É o que estima o presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado do Piauí (Sinepe/PI), Paulo Machado. A reforma prevê o aumento progressivo na carga horária até atingir 1.400 horas anuais, obrigatoriedade do ensino de inglês a partir do 6º Ano do Ensino Fundamental e a exclusão de disciplinas como educação física, artes, filosofia e sociologia no Ensino Médio, além de outras medidas. 

Para Paulo Machado, o aumento das mensalidades poderá ocorrer devido aos gastos que as escolas terão para atender à demanda da nova carga horária e de pagamento dos professores. Se aumentar a carga horária, vamos ter que aumentar a carga horária dos professores também e é mais custo para as escolas, porque vamos ter que pagar a hora/aula desses professores. Além disso, se uma escola tem mil alunos no turno da manhã e mil alunos no turno da tarde, para ela se tornar uma escola em tempo integral, ela vai ter que duplicar a sua estrutura física para trabalhar em dois turnos com mil alunos, gerando uma diminuição da receita e aumento dos custos; e isso vai inuenciar na mensalidade. Qualquer escola que hoje trabalhe com a mensalidade a R$ 1 mil, se ela passar a ser uma escola em tempo integral, a mensalidade vai para próximo de R$ 2 mil, vai quase dobrar porque o aluno vai ter que ir em dois turnos, explica. 

Contudo, o presidente do Sinepe/PI afirma que ainda não se pode presumir de quanto será o aumento exato porque as escolas têm autonomia para fazer o reajuste de acordo com as suas próprias tabelas de custos. Além do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), para calcular esse reajuste, são levados em consideração os insumos, que são os materiais que são usados na escola, como materiais de limpeza, papel, etc. E, principalmente, o projeto pedagógico da escola. Se a escola não tem nenhuma novidade, a tendência é colocar o INPC, agora se vai apresentar um projeto novo, isso é caro para a escola e ela vai ter que colocar na mensalidade, esclarece. 

Por lei, as escolas são obrigadas a reajustarem os valores das mensalidades apenas uma vez por ano, e os pais devem ser alertados do aumento e da quantidade de vagas por classe em até 45 dias antes do término no período de matrículas. A regra geral é ter uma comunicação com os pais, não no sentido de aprovar ou desaprovar o reajuste, porque isso é competência exclusiva da escola. Mas a escola tem como justificar e dialogar, mostrando o projeto que será feito", afirma Paulo Machado. 

Avaliação 
O presidente do Sinepe/PI defende que a Nova Reforma do Ensino Médio é vista de forma positiva pelas escolas e que é possível implementar as mudanças dentro do prazo previsto. Essa reforma vai ajudar muito. É o que todas as escolas querem, porque o mundo está mudando, não podemos continuar com um currículo arcaico, como é o currículo atual. Essa reforma é indispensável e está atrasada em décadas, mas é possível sim fazer essa mudança até o início de 2018. Hoje o aluno faz um vestibular específico, ele deveria estar estudando, como nos países desenvolvidos, o que é de interesse para a formação dele, destaca.

Edição: Virgiane Passos

Por: Nathália Amaral - Jornal O DIA

Fonte: portalodia.com

Fonte secundária: CM 

Imagem: cenpec.org/Google