Artigos

Por que empresas como a Microsoft estão investindo em startups 

Por-que-empresas-como-a-Microsoft-estao-investindo-em-startups-20161111102643.jpg
 

10/11/2016 - A gigante de tecnologia criou um fundo para aportar em startups. O Hospital Albert Einstein também está acompanhando iniciantes de perto. Entenda por que

Sem nenhum quarto sequer, o Airbnb revolucionou o mercado de hospedagem e já vale cerca de 30 bilhões de dólares, mais do que redes de hotéis tradicionais como a Marriott.

Hoje, startups que nascem praticamente do nada tomam o lugar de corporações centenárias em pouco tempo.

E é justamente por terem medo de ser engolidas por elas que muitas grandes empresas estão se aproximando dos empreendedores – e colocando dinheiro nas ideias neles.

É o caso da Microsoft que, junto com outros nomes como Qualcomm, Banco Votorantim e Monsanto, criou um fundo para aportar em startups brasileiras.

A gente quer estar perto porque não sabemos quem vai ser o nosso concorrente no futuro, disse Franklin Luzes, diretor de operações da Microsoft Participações, durante debate na HSM Expomanagement, na segunda-feira (7) em São Paulo.

Segundo ele, o investimento em pesquisa e desenvolvimento é essencial (a gigante de tecnologia investe mais de 12 bilhões de dólares nessa frente todos os anos), mas não traz a mesma inovação que um olhar de fora pode proporcionar.

Santo de casa não faz milagre. É difícil matar um produto que você mesmo criou, afirmou.

Para Claudio Terra, diretor de inovação do Hospital Albert Einstein, o que impede as grandes companhias de criar produtos e serviços tão disruptivos quanto os criados pelas startups é exatamente o tamanho (e as responsabilidades) que elas têm.

Uma empresa como o Einsten tem uma série de vantagens, como o porte e a liderança do setor. Mas tem desvantagens também. As startups podem focar em ideias que não vão gerar receita. Executivos de grandes organizações têm que dar resultado, disse.

O hospital começou a acompanhar companhias iniciantes há dois anos. Desde então, já teve contato com cerca de 700 delas e firmou contratos de colaboração com 11.

Algumas estão quatro anos na nossa frente [quando se trata de tecnologias]. E isso não é demérito do Einstein. Nossa grande habilidade é atender bem os pacientes. Eles estão focados em inovar, disse.

Na visão de Franklin Luzes, da Microsoft, para que as startups continuem desenvolvendo produtos e serviços transgressores, é necessário que elas se mantenham independentes, mesmo que usem o capital das companhias consolidadas.

Assim, evita-se que elas sejam engessadas pela burocracia das hierarquias corporativas complexas.

Se você investe, é porque acha que a startup faz mais com menos, que consegue resolver algum problema que você não consegue. Se ela for incorporada, vai perder agilidade. O LinkedIn, por exemplo, foi comprado pela Microsoft, mas vai continuar operando separado, disse.

Por outro lado, receber o suporte de uma grande empresa é benéfico para as companhias que estão começando porque garante a elas estrutura para se expandir, defende o executivo.

Fornecemos espaços para elas testarem seus produtos, temos escala em outros países, temos metas, temos advogados. O capital é importante, mas o mais difícil é fazer o empreendedor crescer. 

Por Luísa Melo Leia 

Fonte: EXAME.com

Fonte secundária: CM Consultoria

Imagem: Google