Artigos

Professor bem formado ajuda capacitar o aluno, diz educador

Professorbemformadoajudacapacitaroalunodizeducador-20150818115331.jpg
 
 
17/08/2015 - O especialista Roger Beard, referência em alfabetização, desenvolvimento da escrita e formação de professores de língua, avalia que parcerias entre universidades e escolas podem influir positivamente na carreira do professor e que um professor bem formado é condição-chave para melhorar o desempenho dos alunos: "Os países com melhor desempenho recrutam seus professores entre os 5 a 30% melhores alunos do ensino médio. A formação assegura que o professor adquira o domínio do conteúdo e dos métodos e técnicas adequadas ao seu ensino."

Beard, pesquisador e professor do Instituto de Educação da Universidade de Londres, tida como a melhor instituição da área no mundo, esteve no Brasil a convite do Instituto Alfa e Beto para debater o ensino da língua e a formação de professores no VIII Seminário Internacional no Rio de Janeiro.
Ele encara a língua como instrumento central para o aprendizado das várias disciplinas e diz que aprender a ler e escrever permite ao indivíduo usar informações de forma eficiente e desenvolver a criatividade.

O professor ressalta que é importante investir no desenvolvimento profissional do professor para que tenha uma formação sólida, que permita a reflexão. "Estive em uma universidade em que os estudantes eram encorajados a se dedicar, antes do fim das aulas, por uma ou duas horas, à reflexão sobre suas necessidades e traçar objetivos de desenvolvimento", disse.

Sobre a demora para adquirir o domínio da língua, Beard acredita que influi no processo as condições familiares e o ambiente em que as crianças vivem.

Ele acrescenta que pesquisas apontam que a compreensão da leitura pode estar em risco quando feita somente no formato digital, em textos de tela.
"Algumas crianças não desenvolvem a reflexão para penetrar no texto, quando leem numa tela. Pode haver tendência a tratar o texto da tela de modo pouco mais superficial do que no papel".

Ainda segundo ele, "o cuidado exigido é que a leitura não pode ser feita de maneira exclusiva ou preponderante no computador ou tablet. Mas nos dois formatos. Devemos abraçar tecnologias, sim, reconhecendo o papel dos smartphones, textos digitais, e-mails etc., mas como formas de ensino adicional, a fim de garantir aprendizado de boa qualidade".

Da Redação
Fonte: atarde.uol.com.br