Artigos

Rede social de universitários recebe investimentos

Redesocialdeuniversitariosrecebeinvestimentos-20160326210538.jpg

Fundos de investimentos dos EUA aplicam R$ 23 milhões para expansão da brasileira Passei Direto

 

PUBLICADO EM 19/03/16 - 03h00 

 


 
  
Brasília. A Passei Direto, rede social brasileira para universitários compartilharem material e tirarem dúvidas, recebeu investimento de R$ 23 milhões para expansão do negócio. A injeção de recursos foi liderada pela empresa norte-americana Chegg, que possui serviços como professores 24 horas e aluguel de livros pela internet. Os fundos de capital de risco Redpoint e.Ventures e Valor Capital, que já haviam investido na start-up, também participaram da rodada. Fundado no Rio de Janeiro, o Passei Direto tem cerca de 5 milhões de alunos cadastrados e acervo com 1 milhão de material didático, entre livros, vídeos e exercícios. 

O conteúdo é incluído pelos usuários e gratuito. Rodrigo Salvador, 26, cofundador e presidente da companhia, afirma que o dinheiro será usado para lançamentos e para a expansão internacional, a partir de 2017. Em 2015, foram 50 milhões de visitas, 10% delas de usuários de fora do Brasil. Salvador afirma que, com a queda nos financiamentos para a educação do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), aumenta a necessidade de ferramentas baratas para auxiliar o estudo. A maior parte das funcionalidades da rede social é gratuita, e as principais fontes de receita são anúncios no site e ferramentas para recrutamento de profissionais. 

A Passei Direto não revela o valor de seu faturamento em 2015. Salvador afirma que, até o momento, o foco da empresa esteve na expansão do número de usuários. Direito é o curso com o maior número de estudantes cadastrados (mais de 700 mil), seguido por administração e engenharia. A disciplina com mais alunos na plataforma é cálculo, com cerca de 200 mil estudantes. Salvador explica que teve a ideia da plataforma quando passou a trabalhar na empresa de sua família, uma consultoria que atuava principalmente com educação à distância. 
 

 

Fonte: O Tempo

Figura: Google